Lar Cidades Gerente de centro terapêutico interditado em MG tentou fugir com chegada da polícia; sala de tortura foi encontrada

Gerente de centro terapêutico interditado em MG tentou fugir com chegada da polícia; sala de tortura foi encontrada

por
0 comentário
gerente-de-centro-terapeutico-interditado-em-mg-tentou-fugir-com-chegada-da-policia;-sala-de-tortura-foi-encontrada


Centro foi fechado após fiscalização do Ministério Púbico e da Polícia Civil na zona rural de Machado; cinco pessoas foram presas. Braceletes para imobilização são encontrados em centro terapêutico interditado no Sul de MG
Polícia Civil
O gerente do centro terapêutico para reabilitação de dependentes químicos que foi interditado após denúncias de irregularidades na zona rural de Machado (MG) tentou fugir durante a fiscalização, mas foi preso em flagrante pela Polícia Militar. Uma sala de tortura foi encontrada no local. Cinco pessoas foram presas durante a fiscalização realizada com o Ministério Público.
📲 Participe do canal do g1 Sul de Minas no WhatsApp
Com o gerente, foram encontrados cheques, dinheiro e um comprovante de depósito. Durante a inspeção, foram constatadas diversas irregularidades nas condições sanitárias do local.
Clínica é interditada após denúncias de maus-tratos em Machado, MG
As cinco pessoas presas em flagrante, todas funcionárias do centro, vão responder pelos crimes de tortura, tráfico de entorpecentes, maus-tratos, sequestro, cárcere privado e organização criminosa. Segundo a Polícia Civil e o MP, as investigações continuam.
Gerente de centro terapêutico interditado em MG tentou fugir com chegada da polícia; sala de tortura foi encontrada
Reprodução
Sala de tortura
Em conversa com internos do centro, homens com idades entre 19 e 54 anos, eles relataram para a Polícia Civil a internação involuntária e práticas de tortura física e psicológica.
Os homens também mencionaram existir uma sala no local para esses castigos. No cômodo mencionado, os policiais encontraram objetos, como cinturões com braceletes para imobilização e faixas, que as vítimas apontaram como os utilizados na tortura.
Ainda no local foram encontrados recipientes identificados como drogas e álcool, contendo medicamentos, bem como caixas de remédios controlados sem prescrição médica e blocos de receitas em branco, assinados pelo médico responsável, mas sem indicação da origem.
Polícia encontra braceletes de imobilização em clínica interditada em Machado
Reprodução / Polícia Civil
Os internos afirmaram que esses medicamentos eram usados para sedá-los quando tentavam fugir do local, sendo administrados por qualquer funcionário do centro.
Cárcere privado
De acordo com o MP, o centro terapêutico não poderia restringir a liberdade dos internos com muros altos, trancas e cadeados, porém isto foi constatado durante a visita, inclusive nos dormitórios.
Ao fim da vistoria, permaneceram no centro apenas os internos cujo tratamento era voluntário, mas, nesta segunda-feira (10), a entidade foi interditada pelo município de Machado.
Todos os funcionários do estabelecimento foram detidos e encaminhados à delegacia, enquanto documentos e pastas foram apreendidos para investigação.
A investigação será conduzida pela Polícia Civil de Machado e pelo Ministério Público.
O que diz a prefeitura
A Prefeitura de Machado informou que os fiscais da Vigilância Sanitária constataram algumas desconformidades, especificamente relacionadas à cozinha e à alimentação da clínica, observações que foram documentadas e comunicadas às autoridades competentes.
Além das questões sanitárias identificadas pela equipe de Vigilância Sanitária, o Ministério Público constatou outras irregularidades mais amplas.
Diante dessas constatações, a Secretaria de Saúde foi acionada para realocar os pacientes que necessitavam de continuidade no tratamento, garantindo que esses fossem mantidos dentro dos critérios legais e de segurança necessários.
Ainda segundo a prefeitura, a Secretaria de Saúde já fez o credenciamento com uma clínica e está fazendo com mais clínicas para aqueles que, de forma voluntária, tenham interesse em continuar os tratamentos, tenham essa porta aberta.
Todos os investigados estão sendo representados pelo mesmo grupo de advogados. A defesa informou que neste momento prefere não se manifestar.
Veja mais notícias da região no g1 Sul de Minas

você pode gostar

Deixe um comentário