Lar Cidades Incontinência urinária: quando a perda involuntária da urina pode transformar algo simples em ‘não tão legal assim’

Incontinência urinária: quando a perda involuntária da urina pode transformar algo simples em ‘não tão legal assim’

por
0 comentário
incontinencia-urinaria:-quando-a-perda-involuntaria-da-urina-pode-transformar-algo-simples-em-‘nao-tao-legal-assim’


Oi meus amores!

 
Hoje vim falar de um tema que é constrangedor para muitas mulheres – a incontinência urinária. Essa perda involuntária da urina pode transformar até mesmo uma simples risada ou uma subida de escadas em algo “não tão legal assim”.
 
Para explicar mais sobre o assunto conversei com a médica especialista em ginecologia estética e funcional, a Dra. Ellen Carvalho. Ela me explicou que dentre as causas da incontinência urinária estão o enfraquecimento dos músculos do assoalho pélvico, decorrente da sobrecarga de peso sobre eles durante a gestação ou do esforço físico na hora do parto normal,e também da perda do estrogênio depois da menopausa. Uma das funções deste hormônio é deixar a mucosa vaginal firme, hidratada e saudável.
 
Mas a Incontinência Urinária não é uma condição que a mulher precisa aceitar. Existem vários tratamentos como  cirurgias para os casos mais graves, a fisioterapia, medicamentos,  reposição hormonal e a mais “nova arma tecnológica” que é o laser ginecológico.
 
O laser é aplicado  dentro da vagina e  produz calor que estimula  a produção de colágeno e elastina, aumenta a nutrição e hidratação  do tecido, que fica mais firme e  saudável.
 
“É um procedimento sem corte,sem sangramento, indolor e não precisa de pontos”, disse. 
 
Para um resultado eficaz, a profissional recomenda um protocolo de duas a  três sessões de laser ginecológico, sendo uma por mês. A manutenção deve ser feita com uma sessão anual para garantir o resultado já que o organismo envelhece e tende a cair na mesmice.
 
Espero que tenham gostado do bate-papo e dessa dica valiosa que pode devolver tantas risadas por aí. 
 
Beijos da Si.

você pode gostar

Deixe um comentário